top of page

CURSO

Leitura das Previsões de onda

O que é e como funciona a maré

Atualizado: 27 de jul. de 2023

Acompanhar o fenômeno das marés nos deixa em contato contínuo com o movimento dos astros e com os ciclos da natureza.


Isso porque o que determina quando a maré vai estar alta ou baixa, o quanto a maré vai subir e descer ou como a maré está agora são as forças de atração exercidas sobre o oceano principalmente pela Lua e pelo Sol, combinadas à rotação da Terra.


Nesse artigo, vamos entender como a maré funciona, qual a influência do Sol e da Lua sobre as marés e suas principais variações.



O que é a maré?

Pode não parecer, mas as marés são ondas! Existem vários tipos de ondas. Por exemplo, os tsunamis são ondas causadas por tremores do fundo marinho. As ondas que quebram diariamente nas praias são formadas pelo vento. Já as marés, são ondas geradas pelo movimento dos astros. Por isso são chamadas de marés astronômicas.


O que vemos na prática é o sobe e desce periódico das águas do mar, que pode variar de alguns centímetros até 16 metros! Esse movimento é influenciado por uma série de fatores, que geram diferentes variações. As mais importantes são:


  1. Variações diárias de subida e descida do nível do mar: maré alta e maré baixa.

  2. Variações semanais da amplitude da maré: maré grande e maré morta.

  3. Variações semestrais da amplitude da maré: maré de março ou maré equinocial.


Veremos como as marés são formadas e cada uma dessas variações em detalhes a seguir.



Como funciona a maré?

Como já foi dito, são as forças de atração gravitacional exercidas pela Lua e pelo Sol sobre o oceano, combinadas à rotação da Terra, que geram as marés.


Essa força de atração gravitacional é a mesma força da gravidade que faz seu celular cair no chão. Ela existe entre todos os corpos com massa, como eu, você e os planetas, e sua intensidade é proporcional à massa dos corpos. Por isso, ninguém anda por aí literalmente atraindo as pessoas como um imã.


Já a Lua, o Sol e a Terra possuem massas enormes e é a atração gravitacional existente entre eles que os mantêm girando juntinhos.


Mas como essa atração gera as marés?


Infográfico sobre o que é a maré e como funciona

A Lua atrai o oceano formando uma elevação de água em sua direção.


Do outro lado do planeta, a força centrípeta resultante do movimento de rotação da Terra gera uma elevação similar na direção oposta. A força centrípeta é a mesma que prende a água no fundo de um balde girando.


Essa combinação de forças gera duas elevações de marés simultâneas em torno da Terra, uma acompanhando a Lua no céu e outra no lado oposto. [Acompanha a figura para entender melhor].


O Sol produz um efeito similar, mas quanto maior a distância, menor a força de atração. Como o Sol está muito mais distante de nós do que a Lua, sua influência sobre as marés equivale a metade da influência da Lua. Portanto, as elevações geradas pelo Sol são menores.


À medida que a Terra gira ao redor do seu eixo e o Sol e a Lua passam pelo céu, essas elevações de água salgada viajam pelo oceano gerando as marés altas seguidas de marés baixas que vemos nas praias.


Claro que isso é uma simplificação de um fenômeno com inúmeros detalhes. Mas serve muito bem para a gente entender o funcionamento das marés.


Existe uma infinidade de variações no comportamento das marés, e algumas são muito mais expressivas do que outras. Agora vamos entender os principais movimentos da maré.



Amplitude de maré, maré alta e maré baixa


A amplitude de maré é a diferença de altura entre a maré alta e a maré baixa. Em momentos de maior amplitude, a maré alta fica mais alta e a maré baixa fica mais baixa. Por outro lado, em momentos de menor amplitude, a maré sobre menos na maré alta e desce menos na maré baixa.


Tecnicamente, a maré alta é chamada de preamar e a maré baixa de baixa-mar.


A amplitude da maré passa por variações cíclicas ao longo do tempo em função do posicionamento da Lua e do Sol com relação à Terra. Por exemplo, a maré varia em conjunto com as fases da lua, com as mudanças de estações e qualquer outro fenômeno que deixe o Sol ou a Lua mais perto da Terra.


A amplitude da maré também varia espacialmente em função da localização e geografia do lugar. Por exemplo, dentro de baías, desembocaduras de rios e outras regiões com circulação mais restrita, normalmente as variações de maré são amplificadas.


E, ao longo do litoral do Brasil, ocorrem grandes variações na amplitude de maré. Ela passa de alguns centímetros no Rio Grande do Sul a incríveis 8 metros de amplitude de maré no Maranhão!



Quanto tempo demora para a maré subir?

Infográfico sobre o fenômeno das marés

Como uma onda clássica, a crista da onda de maré é a maré alta e a cava é a maré baixa.


As ondas de maré são as ondas mais compridas do oceano. A distância entre duas "marés cheias" é de metade da circunferência da Terra!


O período da onda de maré - que é o tempo entre duas marés cheias sucessivas - gira em torno de 12 horas e 24 minutos.


Isso significa que, quando a maré está toda alta, demora cerca de 6h12 para ela ficar toda baixa, e mais 6h12 para ela estar toda alta novamente, e assim sucessivamente.


Como resultado, temos duas marés altas e duas marés baixas por dia.


Isso é válido para a maior parte da costa do Brasil, onde as marés são do tipo semi-diurnas, com dois ciclos de maré por dia. Em outros lugares, como no litoral sul do Brasil, a maré pode ser do tipo diurna, com apenas um ciclo de maré por dia. Nesse caso, occorem apenas uma maré alta e uma maré baixa por dia, com um intervalo de 12h24 minutos entre elas.


Como o dia lunar são de 24 horas e 50 minutos, a cada dia o ciclo de maré se atrasa cerca de 50 minutos com relação ao dia anterior. O que significa que se hoje a maré está toda cheia às 14h00, amanhã essa mesma maré estará toda cheia em torno de 14h50.


O que são marés grandes e marés mortas?

Infográfico sobre as variações da maré com as fases da lua

Mudanças no posicionamento dos astros geram variações no comportamento da maré. Uma das principais variações na amplitude das marés acompanha as fases da Lua.


Na Lua cheia e na Lua nova, o Sol, a Lua e a Terra estão alinhados. Por isso, ocorre um somatório das forças de atração, o que gera maiores amplitudes de maré.


Essa maré mais intensa é chamada de maré grande, maré viva ou maré de sizígia.


Na Lua crescente e minguante, o Sol, a Lua e a Terra não estão alinhados. As forças gravitacionais agem em sentidos distintos e a maré gerada apresenta variações menores.


Nesse momento, a maré baixa e a maré alta são menos aparentes. Essa maré é conhecida como maré morta ou maré de quadratura.


As fases da Lua mudam, aproximadamente, a cada semana. Então as marés grandes e mortas se intercalam a cada semana, repetindo o mesmo padrão a cada 14 dias, continuamente.



O que é a superlua e seu efeito sobre as marés


Infográfico sobre a maré e a superlua

Quanto mais perto o Sol e a Lua estão da Terra, maior é a força de atração sobre o oceano e maior é a amplitude da maré.


A órbita da Lua é aproximadamente elíptica e a Terra não está no seu centro. Por isso, ao longo do mês lunar, a Lua pode estar mais próxima ou mais distante da Terra.


Esses momentos são chamado de perigeu e apogeu, respectivamente.


O que é o PERIGEU

O perigeu ocorre uma vez por mês, quando a Lua está mais perto da Terra. Como resultado, a amplitude da maré nesse período fica 20% maior que a média.


O que é o APOGEU

Duas semanas depois a Lua está em seu ponto mais distante da Terra, conhecido como apogeu. Aqui a amplitude da maré fica 20% menor que a média.


O ciclo apogeu-perigeu dura cerca de 28 dias, duração do mês lunar, e pode ocorrer em qualquer fase da Lua.


Eventualmente, o perigeu ocorre na Lua cheia e vemos uma Lua maior que o normal. Esse fenômeno é chamado de SUPERLUA e gera uma amplitude da maré ainda maior!



O que é a maré de março?

Maré de Março

Quando o Sol se encontra diretamente acima da linha do Equador, ocorrem os equinócios de outono e de primavera.


Esse alinhamento do Sol com a Terra intensifica a força de atração do Sol sobre o oceano e gera marés com maiores amplitudes. A maré baixa fica mais baixa e a maré alta, mais alta.


No hemisfério sul, o equinócio de outono ocorre em Março, é quando registramos maiores variações da maré. As famosas marés de março.


Em setembro ocorre o equinócio de primavera, quando as marés também ficam maiores.


Esse fenômeno pode ser amplificado ou reduzido quando combinado a outros movimentos da maré, como maré grande e maré morta ou perigeu e apogeu da lua. 


Se coincidir de acontecer uma maré equinocial, no perigeu e em maré grande - como nas superluas - o fenômeno será ainda maior!


Infelizmente, é comum o aumento dos casos de erosão costeiras nesses períodos de maiores amplitudes de maré em março e setembro. Especialmente quando ocorrem junto com as marés meteorológicas e ressacas marinhas.



Marés meteorológicas


Além das marés astronômicas, condições climáticas, como a velocidade e a direção dos  ventos, podem aumentar ou diminuir o nível do mar. Essas alterações podem modificar as marés previstas na tábua de maré, ao reduzir, aumentar, adiantar ou atrasar a variação esperada.


Por exemplo, ventos muito fortes em alto mar podem empurrar grandes quantidades de água para a costa, fazendo com que o nível do mar suba acima do normal. Estas são as marés meteorológicas.




As principais informações sobre as marés astronômicas estão resumidas em um pôster lindo para download gratuito. 🎁


Pôster sobre as marés


 

Mais informações

Garrison, T. (2010). Fundamentos de Oceanografia. Tradução da quarta edição norte-americana. São Paulo: Cengage Lerning.

Open University. (2008). Waves, tides and shallow- waters processes. The Open University.

コメント


bottom of page