Image by Matt Hardy

Pesca Fantasma

Já pensou o que acontece quando uma rede de pesca é abandonada no #mar?

 

Ela continua pescando indiscriminadamente!


Não só redes, como armadilhas, espinhéis e vários outros equipamentos de #pesca, perdidos por acidente ou descartados intencionalmente no #oceano, são responsáveis pela mutilação e morte de diversas espécies de #peixes, #crustáceos, #baleias, #tartarugas, #tubarões e outros animais marinhos.

 

As redes abandonadas, seja pela pesca industrial, artesanal ou esportiva, podem continuar capturando organismos por mais de 20 anos, com altas taxas de mortalidade (de 73% a 100%). Nesse tempo, os próprios animais já capturados servem de iscas para atrair novos animais para a armadilha, aumentando sua eficiência e a extensão do dano.

 

A pesca fantasma reduz a quantidade de peixes no oceano, sem gerar benefícios socioeconômicos. Além de atingir indiscriminadamente espécies sem interesse comercial direto, vulneráveis ou ameaçadas de extinção.

 

Segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, cerca de 640 mil toneladas de petrechos de pesca são abandonados anualmente nos oceanos. Esse valor tende a crescer à medida que a capacidade e o esforço de pesca continuam aumentando.

 

Como se não bastasse, a decomposição desse material, em sua maior parte feito de plástico, contribui com outro problema o aumento de microplástico no oceano.


O que pode ser feito para reduzir esse problema?



Registros de @vini.giglio da retirada de rede de pesca fantasma dentro do Refúgio de Alcatrazes, que é uma unidade de conservação de proteção integral, em 07/12/2019.


Escrito por Mariana Thévenin



Fonte

Jéssica Link et al. 2019. Abandoned, lost or otherwise discarded fishing gear in Brazil: A review | Link

FAO, 2009. Abandoned, lost or otherwise discarded fishing gear | Link

 Siga nossas redes sociais: 

  • Oceano para Leigos
  • Oceano para Leigos
  • Oceano para Leigos
  • Oceano para Leigos
  • Oceano para Leigos

Acompanhe por e-mail!

Oceano para Leigos | 2016-2020.